Um problema com uma longa espera é que as coisas acontecem nesse ínterim. No caso do tão esperado box set Kinks, essas coisas foram um fluxo constante de reedições e reembalagens – algumas delas foram retiradas das prateleiras antes do lançamento do Picture Book de seis discos, mas naquela data tardia quase todos os cofres dos Kinks foram esvaziados em reedições de luxo de todos os álbuns de The Kinks de 1964 até Word of Mouth de 1984 (com uma versão em três discos de Village Green Preservation Society), com várias outras compilações como Live at the BBC e Negócios Inacabados de Dave Davies preenchendo as lacunas. Tudo isso significa que o Picture Book não é exatamente a câmara de compensação de raridades que teria sido – e muitas das faixas não lançadas aqui geralmente são tomadas alternativas ou mixagens mono, embora existam algumas demos bastante interessantes aqui – mas o objetivo principal do Picture Book, como seria com qualquer caixa deste tamanho para um artista com uma carreira tão significativa e longa quanto os Kinks, é contar a história da maneira mais completa possível e, nesse nível, é muito bem-sucedida, até observadora. Como sempre, é possível discutir sobre exclusões de músicas, desta vez com alguma justificativa – já que eles tinham um excesso de ótimas músicas nos anos 60, muitas foram deixadas para trás, singles de “Plastic Man” a “Jukebox Music” são esquecidos e outra oportunidade de relançar a versão de estúdio de “When I Turn Off the Living Room Light” foi perdida – mas insistir no que está faltando é ignorar o que está aqui: 138 faixas que contam a história de uma das maiores bandas da Grã-Bretanha – e uma de seus mais estranhos – em detalhes.

Esse detalhe significa que cada ato da história recebe tratamento quase igual, com o auge da banda de 1966-1970 recebendo merecidamente uma ligeira ênfase, com precisamente um terço deste conjunto dedicado a esses anos de glória. Mesmo essa estatística fria sugere que a caixa se apóia fortemente no Face to Face através de Lola, o que não está certo: permanece no auge, mas não às custas dos primeiros ou últimos anos do grupo ou mesmo do desvio do início dos anos 70 em teatros estranhos. Picture Book demora um pouco para começar, percorrendo algumas batidas britânicas padrão antes da banda começar a atingir seu ritmo depois de cortar “You Really Got Me”, que abre o set de forma não cronológica como uma fanfarra. Da mesma forma, também tem um final um pouco longo, já que os irmãos Davies se arrastam até meados dos anos 90 com Phobia e To the Bone, mas entre esse começo e fim lentos está uma das maiores sagas pop em toda a sua glória e ocasional constrangimento desconcertante. Felizmente, não há muito deste último, já que o conjunto escolhe bem os complicados álbuns conceituais de Ray Davies e obtém o melhor dos LPs irregulares dos anos 80 (embora a escolha de incluir o retorno de sucesso “Come Dancing” como apenas uma demo é um pouco intrigante), tornando este um retrato encorpado e representativo de uma banda que é notoriamente difícil de classificar.


Inevitavelmente, alguns partidários vão reclamar que há muita coisa moderna às custas daquela corrida clássica dos anos 60, mas isso não está certo: o Picture Book faz um trabalho notável ao entrar no fluxo de sua carreira, então a transição do delicado Village Green para os roqueiros de arena conquistadores da América de uma década depois faz sentido. O grupo teve que passar pelo Muswell Hillbillies de membros soltos e esfarrapados antes de se estabelecer nos álbuns conceituais, onde cada gesto se tornava mais grandioso – toda a teatralidade amplificada para o momento em que os próprios amplificadores dominavam o poleiro. Como isso cobre os próprios Kinks, não Ray Davies, isso para durante seu período de pousio nos anos 90 – sempre desajustado, ele conseguiu não capitalizar o momento Brit-pop que ele patrocinou – então não há uma oscilação para cima em a conclusão como haveria se seus álbuns solo fossem levados em consideração. Mesmo assim, Picture Book tem uma riqueza de riquezas, prova de que os Kinks estão nas primeiras fileiras dos roqueiros, ao lado dos Beatles e dos Rolling Stones. Que outra banda poderia inventar o hard rock e o metal com um riff de dois acordes, depois se desviar para uma sátira social irônica, depois estabelecer o pop britânico moderno com Something Else, recuar na nostalgia antes de inventar a ópera rock antes do Who, depois vender a América -boche hard rock sobre a falta de gasolina e a queda do dólar, então sinta-se totalmente à vontade na MTV… o tempo todo tendo um segundo comando tão exuberante e aberto quanto Dave Davies, que tem sua chance aqui. Nenhuma outra banda poderia reivindicar isso porque não há outra banda como os Kinks, como este tão esperado, em grande parte essencial, sempre absorvente box set prova conclusivamente.

 

Download:

https://ydray.com/get/t/16628871274499Waieb4e713552c56WK

OU

https://www.mediafire.com/file/hphaq6vkxqb57dy/KINKSPictureBook08.rar/file

 

NOTA: Este artigo já não tem Direitos de Autor

 

 

(Visited 1 times, 8 visits today)